Buscar
  • Lore Magno

Governo de MG recomenda interrupção da vacinação de gestantes sem comorbidades nas cidades do estado

Medida segue orientações do Ministério da Saúde, que anunciou que a imunização de gestantes e puérperas no Brasil será restrita a mulheres com comorbidades.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais decidiu recomendar a todos os municípios do estado a interrupção temporária da vacinação contra a Covid-19 de gestantes e puérperas sem comorbidades. Nesta terça-feira (11), o governo estadual já tinha orientado as prefeituras a interromper a vacinação de gestantes e puérperas com as vacinas da AstraZeneca/Oxford.


As medidas seguem orientações do Ministério da Saúde, que anunciou que a imunização de gestantes e puérperas no Brasil será restrita a mulheres com comorbidades. A pasta determinou ainda que elas devem receber apenas vacinas CoronaVac e Pfizer.

  • Governo decide só vacinar grávidas com comorbidades, veta AstraZeneca e libera uso da CoronaVac e Pfizer

  • Após recomendação da Anvisa, prefeituras de MG mudam vacinação de grávidas; governo recomenda suspensão imediata

Belo Horizonte previa começar a vacinar grávidas, acima de 40 anos, sem comorbidades, mas teve que suspender a ação após a orientação do Ministério da Saúde. A definição vale até que sejam concluídas as análises de um caso raro de morte de uma gestante de 35 anos por causa de um acidente vascular cerebral hemorrágico (AVC) que pode ter ligação com o uso da vacina AstraZeneca. Isso ainda não está comprovado.

A capital mineira continua vacinando com a Pfizer as gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto) com idade a partir de 18 anos, completos até 31 de maio, com comorbidades. Apenas as mulheres que preencheram cadastro no portal da prefeitura até 3 de maio estão sendo imunizadas. Desse grupo, 996 têm comorbidades e serão vacinadas.


Fonte: G1 Sul De Minas

2 visualizações0 comentário